top of page

CBF diz que não joga mais sem VAR após polêmicas contra Espanha


O presidente da CBF, Ednaldo Rodrigues, disse que a entidade não aceitará mais partidas da seleção brasileira sem o VAR. No empate por 3 a 3 contra a Espanha, no Santiago Bernabéu, o árbitro António Nobre marcou dois pênaltis para os donos da casa, ambos contestados por jogadores e comissão técnica do Brasil.


A falta de VAR pegou a CBF de surpresa e causou indignação em jogadores, comissão técnica e dirigentes brasileiros. O presidente Ednaldo Rodrigues disse que levará o assunto à Fifa, para que não haja mais partidas amistosas sem a arbitragem de vídeo.


"A CBF vai comunicar para a Fifa que não só os jogos da seleção brasileira, mas outros amistosos, tenham obrigatoriedade de utilizar o VAR. O futebol é tão avançado na Europa e deixou a desejar em um jogo importante", afirmou Ednaldo.


O presidente explicou que a decisão de não usar o auxílio ao árbitro foi tomada pela Federação Espanhola (RFEF) e pela Uefa.


"Caberia à confederação daqui, a Uefa, ser mais exigente. O VAR veio pra ficar. A CBF coloca VAR na Série A, B, C, D, no feminino, nas divisões de base, é a confederação no mundo que mais usa o VAR", disse.


Nos bastidores da CBF, além do pedido à Fifa, já foi estabelecido que a seleção não voltará a campo em partidas sem o dispositivo de vídeo-arbitragem.


O técnico Dorival Júnior também reclamou e acrescentou que os árbitros já se acostumaram a receber o auxílio externo.


"A própria arbitragem mundial está condicionada ao trabalho do VAR. A ideia que eu tive no momento em que ele apitou a primeira penalidade é que ele não sabia o que daria naquele instante, tanto que levou 10 segundos para apontar para a marca de cal", afirmou.


Os jogadores se uniram às reclamações. "Nesse alto nível é estranho não ter VAR. É necessário e ajudaria. Talvez tivéssemos um resultado diferente hoje", ponderou o goleiro Bento, que só encara partidas sem o VAR na primeira fase do Campeonato Paranaense.


Se Bento joga pouco sem o VAR, o ponta Savinho, que defende o Girona, nem isso. "É muito estranho, muito estranho. Acho que nunca joguei sem VAR, e os pênaltis? não posso falar sobre isso".


Quem também evitou entrar na polêmica foi o zagueiro Fabrício Bruno. "É difícil falar, mas eu não posso falar qual foi o acordo. O que a gente pode é fazer o que a gente fez, apesar dos erros e do placar adverso, tivemos mentalidade forte para buscar até o final.


Andreas Pereira, acostumado ao VAR da Premier League, considerado o melhor sistema do mundo, também comentou. "Os dois pênaltis, se tivesse VAR, não seriam marcados. Tem que ter o VAR nesses jogos. Os árbitros já estão acostumados, então para ele também foi difícil.


3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Commenti

Valutazione 0 stelle su 5.
Non ci sono ancora valutazioni

Aggiungi una valutazione
bottom of page