top of page

PP aceita Esporte e Caixa; Republicanos fica com Portos e Aeroportos

Lula deve anunciar mudanças na Esplanada ainda nesta 4ª feira; movimento oficializa entrada de partidos do Centrão na base do governo

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) concluiu o desenho que dará para a reforma ministerial que anunciará ainda nesta 4ª feira (6.set.2023), a partir das 17h. O PP ficará com o Ministério do Esporte e com o comando da Caixa Econômica Federal. O Republicanos terá o Ministério de Portos e Aeroportos e ainda negocia a Funasa (Fundação Nacional da Saúde). Como o Poder360 já havia informado, o Centrão conseguiu convencer Lula a fazer o anúncio das mudanças em um “pacote completo” ou “combo”, nas expressões utilizadas por políticos dos 2 partidos.

As nomeações dos 2 ministros serão feitas de uma vez —e, no caso de autarquias e estatais, está tudo apalavrado e os nomes estão passando por avaliação de conformidade para ocuparem os cargos.

O PP aceitou comandar o Ministério do Esporte, com a promessa de que será “turbinado”, ou com a criação de novas secretarias, ou com o aumento do orçamento para este ano. O líder da bancada na Câmara, deputado André Fufuca (MA), é o nome indicado pelo partido para o cargo.


Inicialmente, Lula havia oferecido o Ministério do Desenvolvimento Social para a legenda, em conversas com o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL). O atual titular do cargo, Wellington Dias (PT), resistiu a deixar o posto e conseguiu arregimentar o apoio do PT. Contou também com a ajuda da primeira-dama, Janja Lula da Silva, para ficar no governo. Sem conseguir enfrentar o próprio partido, Lula cedeu e mudou a oferta para o PP. A cúpula do partido, no entanto, resistiu a aceitar. Isso porque o Esporte tem atualmente a 6ª menor verba da Esplanada para 2023.

O Desenvolvimento Social tem um montante 470 vezes superior. O orçamento para o ministério liderado atualmente pela ex-jogadora de vôlei Ana Moser é de R$ 900 milhões até o final do ano. Caso não haja alterações no planejamento do governo, a tendência é que esse montante caia para aproximadamente R$ 600 milhões em 2024. O Desenvolvimento Social, por outro lado, conta com um orçamento de R$ 276,1 bilhões e a tendência até o momento é que cresça para R$ 281,7 bilhões em 2024.

É importante destacar que, embora o Desenvolvimento Social tenha orçamento estipulado de R$ 281,7 bilhões em 2024, parte significativa desse montante é despesa sobre a qual nenhum ministro tem influência. O Bolsa Família, por exemplo, consumirá R$ 168,6 bilhões. Ainda assim, há outros programas sociais na pasta.

Ainda que tenha menos recursos, Fufuca advogou junto a seus correligionários que o Esporte tem capilaridade e pode entregar obras pelo país, como reformas de estádios e ginásios, construção de quadras esportivas e outros complexos.


O partido está de olho em 2024, ano de eleições municipais. Esse tipo de entrega para a população ajuda a dar destaque para prefeitos e candidatos do partido. De saída do ministério, Ana Moser poderá assumir a chamada Autoridade Olímpica do Brasil, que é ainda precisaria ser criada. Caso não aceite o novo cargo, ela deixará o governo. A ex-jogadora de vôlei vinha sendo criticada por outros integrantes do governo e por entidades esportivas por demora na tomada de decisões e por ignorar algumas práticas políticas, como a liberação de emendas de congressistas.


Como o Poder360 mostrou em julho, um desentendimento entre Moser e o ministro da Justiça, Flávio Dino, atrasou em mais de 1 mês a assinatura de acordo de cooperação entre o governo federal e a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) para melhorar a segurança nos estádios.

O PP também ficará com a presidência da Caixa Econômica Federal e suas 12 vice-presidências. O comando do banco será uma indicação direta de Lira para Lula. O presidente da Câmara havia pensado em indicar a ex-deputada Margarete Coelho (PP-PI) para o posto. Mas também é forte no PP o nome da secretária de Planejamento do Rio Grande do Sul, Danielle Calazans —que é funcionária de carreira da Caixa e chegou a ser vice-presidente de Gestão Corporativa do banco em 2022.


Está tudo acertado entre Lula e Lira sobre o comando da Caixa, apesar da resistência do PT em ceder as 12 vice-presidências do banco público. O presidente da Câmara deu um voto de confiança em Lula, pois as nomeações da Caixa precisam passar pelo processo de conformidade (compliance) da instituição. Por essa razão, os nomes podem não ser anunciados nesta 4ª feira.

Trata-se de uma acordo apalavrado entre Lula e Lira de que o PP de fato vai comandar a Caixa. O cumprimento dessa promessa terá de ser nas próximas semanas, ainda em setembro. Já o Republicanos ficará com Portos e Aeroportos.

O partido indicou o deputado Silvio Costa Filho (PE) para o cargo. O atual titular do ministério, Márcio França (PSB), tentou resistir à mudança, mas não obteve sucesso. Ele avalia que a entrega do órgão ao partido do governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas, o enfraquecerá em sua base eleitoral, Santos (SP).

Embora Costa Filho já tenha dito que não pretende avançar com a privatização do Porto de Santos, França avalia que Tarcísio possa aumentar sua ingerência na região. Com as mudanças, França deverá ser indicado para o novo Ministério da Pequena e Média Empresa, que será criado a partir de estrutura já existente no Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, sob o comando do vice-presidente Geraldo Alckmin (PSB).

No caso da Funasa (Fundação Nacional de Saúde), as negociações estão em curso. O Poder360 apurou que esse órgão foi prometido para o Republicanos e isso só não ocorreria se houvesse uma decisão pela extinção da fundação. No caso de a Funasa vir a ser extinta, o partido comandado pelo deputado federal Marcos Pereira (SP) ficará com uma entidade da mesma magnitude, ainda a ser decidida.

5 visualizações0 comentário

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page