top of page

Rui Costa nega candidatura à Prefeitura de Salvador em 2024

Ministro afirmou que as especulações são “mais uma mentira que tem que ficar desmentindo”

A respeito da suspensão do Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares, o ministro (foto) comentou ainda que somente os pagamentos de policiais militares feitos pelo MEC foram encerrados, mas que o projeto pode ser mantido a depender da decisão dos prefeitos e governadores de cada Estado.


O ministro da Casa Civil, Rui Costa, disse nesta 2ª feira (17.jul.2023) que “não existe a menor hipótese” de ele disputar a Prefeitura de Salvador (BA) nas eleições de 2024. Segundo ele, as especulações sobre sua candidatura são mais uma mentira que tem que “ficar desmentindo”. “Não existe a menor hipótese, não está no nosso planejamento.


O que eu pretendo na eleição do ano que vem é ajudar o Jerônimo a viajar pelo Estado e ajudar a eleger prefeitos e prefeitas que estejam em nosso projeto político”, disse a jornalistas depois de participar de inauguração de uma escola de tempo integral na BAHIA.


O ministro disse que pretende rodar o Estado com o atual governador Jerônimo Rodrigues (PT) para apoiar os candidatos. Disse ainda que esses nomes não precisam ser necessariamente do PT: “Em muitas cidades nós vamos apoiar candidatos da base do governo. Aquele que tiver as melhores condições, aparecer melhor nas pesquisas e tiver o melhor projeto para as cidades é que será o nosso candidato. A preferência é para quem nos apoiou em 2022”.


ESCOLAS CÍVICO-MILITARES

A respeito da suspensão do Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares, o ministro afirmou que foram encerrados somente os pagamentos de policiais militares feitos pelo Ministério da Educação, mas que o projeto pode ser mantido a depender da decisão dos prefeitos e governadores de cada Estado.


Então, o Estado que tem projetos, seja da rede estadual, seja de parceria com os municípios, eles se mantêm. Basta apenas o prefeito e o governador desejarem manter em todo o Estado “Não há decreto, nem lei, do presidente suspendendo as escolas que estão em funcionamento. Então, o Estado que tem projetos, seja da rede estadual, seja de parceria com os municípios, eles se mantêm. Basta apenas o prefeito e o governador desejarem manter em todo o Estado”, disse.


O governo anunciou na 4ª feira (12.jul.2023) a extinção do programa criado em 2019, durante o governo do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). Nele, profissionais civis eram responsáveis pela área pedagógica das escolas enquanto militares –policiais, bombeiros ou integrantes das Forças Armadas– cuidavam da parte administrativa.


A extinção do programa de fato deve ter poucos efeitos práticos na maioria das unidades da Federação. Levantamento do Poder360 mostra que, das 27 UFs, só Alagoas confirmou que encerrará por completo a participação de militares. Ao menos 19 pretendem manter ou readequar o modelo e 7 ainda não decidiram.




2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Commentaires

Noté 0 étoile sur 5.
Pas encore de note

Ajouter une note
bottom of page